Peeling: É o Melhor Método Para Eliminar Manchas e Estrias? Veja Aqui!

Tempo de leitura: 13 minutos

Peeling é o melhor tratamento? Quanto Custa? É Dolorido? Entenda aqui tudo sobre o tratamento e ainda uma Técnica FANTÁSTICA para Tratamento de ESTRIAS!

O que é Peeling?

Peeling

Na tradução literal, peeling significa ESCAMAÇÃO.

Em linguagem técnica, peeling é um processo de destruição das camadas superficiais da pele, por meio de substâncias químicas, usado em cirurgias estéticas e em dermatologia.

O peeling é um procedimento .

Seu processo envolve a  remoção de células mortas e prioriza  suavizar as alterações decorrentes do envelhecimento da pele, contribuindo em seu aspecto saudável e a  melhora da sua aparência.

Peeling é um procedimento abrasivo, indicado para  amenizar marcas e manchas na pele, removendo uma fina camada. Esta camada se regenera e recebe um novo aspecto,  devido às novas células que foram estimuladas a se reproduzir.

Deve ser realizado por profissionais especializados, para não provocar ferimentos ao paciente.

Além disso o profissional precisa fazer uma avaliação para saber qual o peeling mais indicado para tratar o problema.

Aplicação do peeling

O peeling pode ser aplicado em diversos locais, como o rosto, as nádegas, entre outras superfícies que o paciente deseja tratar. O peeling superficial pode gerar um leve incômodo, mas o peeling mais profundo demanda anestésicos.

Dependendo do tratamento o paciente pode ter algumas atividades restritas durante algum tempo, até completar a recuperação.

O ideal é sempre procurar uma clínica de estética especializada e profissionais conceituados para não correr riscos durante a aplicação do procedimento.

Como o peeling age

A pele é composta por duas camadas principais, denominadas epiderme e derme. A epiderme por sua vez é composta de 5 camadas: a Corneum, Lucidun, Granulosum, Spinosum e a Basal.

Já a derme é dividida entre as camadas papilar e reticular.Ambas as camadas são separadas pela membrana basal, que possui células capazes de regenerar a pele. Esta camada possui anexos que se estendem pelas glândulas e folículos pilosos.

Quando realizamos um procedimento de peeling, este atinge estas estruturas, estimulando a regeneração daquela superfície.

Tipos de peeling

Peeling Vegetal (Gommage)

Também conhecido como gommage, por formar grumos na pele, o peeling vegetal é um método de esfoliação que regenera as células da epiderme, utilizando, exclusivamente, ingredientes naturais.

Responsável pela reidratação e regeneração, o tratamento estético remove as impurezas e as células mortas da camada mais superficial da pele, retomando o brilho e a textura da pele do corpo e do rosto.

Esse processo de revitalização tem efeito rejuvenescedor. O peeling vegetal promove o aumento do colágeno, principal responsável por fortalecer e modelar a pele.

Imita um ato mecânico de esfoliação.

Peeling Físico ou dermoabrasivos

Diferente do peeling químico, não atua por aplicação de substâncias químicas na pele e sim por ação esfoliante.

Pode ser realizado por meio de um lixamento manual com cosméticos com ativos esfoliativos, ou de equipamentos dermoabrasores para promover a renovação das camadas da pele.

Um ato mecânico (lixa ou cristais). É usado para lixar as células das camadas superficiais e até médias da pele.

A microdermoabrasão é uma técnica de ação mais superficial atingindo apenas as camadas da epiderme.

É um processo de esfoliação não cirúrgica, não invasiva e passível de controle. Os principais representantes da microdermoabrasão são os peelings de cristal e diamante.

* O peeling de cristal é um equipamento que gera pressões negativas e positivas simultâneas.

São utilizados microgrânulos de óxido de alumínio, jateados pela pressão positiva sobre a pele, provocando erosão nas camadas da epiderme, sendo ao mesmo tempo sugados pela pressão negativa.

* O peeling de diamante é realizado através de uma manopla em forma de caneta com ponteiras diamantadas de granulometrias diferentes, que promovem um “lixamento” suave da pele.

Neste tipo de peeling só existe a pressão negativa. A pele é suavemente sugada pela manopla e o lixamento é efetuado pelo profissional através do contato da manopla com a pele.

Peeling Biológico ou Enzimático

O peeling enzimático é uma técnica de tratamento que gera descolamento da camada mais superficial da pele, onde é utilizado um produto com ativo à base de enzimas, como, por exemplo, a bromelina do abacaxi, a papaína do mamão ou enzimas derivadas do romã ou da fermentação de lactobacilos.

Sendo um método menos agressivo que os ácidos, é usado até em peles sensíveis e durante o verão. Reduz a camada de queratina, proteína que deixa a pele mais grossa, sem brilho e com resistência à permeação de ativos.

Peeling a laser

Semelhante ao peeling realizado com ácidos, a diferença do a peeling a laser é que ele tem um efeito muito mais rápido e profundo sobre a pele.

A incidência da luz sobre a pele remove a camada superficial e promove escamação de forma intensa, melhorando a produção de colágeno. Consequentemente há uma melhora do aspecto da pele, em relação a viço, textura e uniformidade de cor.

Peeling químico

Os peelings químicos são classificados em quatro grupos de acordo com o nível de profundidade da necrose tecidual provocada pelo agente esfoliante, tais como:

Muito superficial (esfoliação): esse peeling afina ou remove o estrato córneo (camada externa da pele) e não cria lesão abaixo do estrato granuloso.

Superficial (epidérmico): produz necrose de parte ou de toda a epiderme, em qualquer parte do estrato granuloso até a camada de células basais.

Médio (dérmico papilar): produz necrose da epiderme e de parte ou de toda a derme papilar.

Profundo (dérmico reticular): produz necrose da epiderme e da derme papilar, que se estende até a derme reticular.

A profundidade de uma descamação depende de muitas variáveis entre as quais: agente esfoliante, integridade da epiderme, espessura da pele e oclusão dos agentes.

O peeling químico também chamado de resurfacing químico, quimioesfoliação ou quimiocirurgia, consiste na aplicação de um ou mais agentes cáusticos (que causam corrosão ou queimadura química), resultando na destruição controlada de partes da epiderme e/ou derme, seguida da regeneração dos tecidos epidérmicos e dérmicos.

A técnica do peeling químico produz uma lesão programada e controlada com coagulação vascular instantânea, resultando no rejuvenescimento da pele com redução ou desaparecimento das ceratoses e alterações actínicas, discromias, rugas e algumas cicatrizes superficiais.

Os pacientes que irão se submeter ao peeling químico devem ser examinados a fim de se determinar os tipos de agentes esfoliantes que produziriam melhores resultados com menor morbidade, de acordo com o estilo de vida, a profundidade das lesões a serem corrigidas e as características gerais da pele a ser tratada.

Tipos de peeling químico 

Existem vários tipos de peeling que utilizam produtos químicos. Alguns deles, são:

Peeling de fenol

Quando aplicado à pele, o peeling de fenol induz a uma queimadura química, que ao longo do tempo resulta no rejuvenescimento da pele. Em geral, é seguro e eficaz com resultados duradouros.

A regeneração epidérmica inicia-se 48 horas após a aplicação da formulação e se completa no intervalo de sete a dez dias.

A maior desvantagem do tratamento do peeling de fenol é que seu período de recuperação é longo.

O peeling de fenol funciona bem na pele grossa e oleosa. Há maior tendência de aparecerem áreas de hiperpigmentação (manchas escuras) com este peeling.

É um tratamento perigoso para pacientes que sofrem do coração, por que pode desencadear arritmias cardíacas, devendo ser realizado apenas por médicos, obedecendo a todas as precauções necessárias.

O pré-tratamento não está indicado. Este tipo de peeling deve ser aplicado lentamente, para evitar uma absorção rápida, o que desencadearia os efeitos colaterais e aumentaria o risco de arritmias cardíacas.

Peeling de ácido tricloroacético 

Apresenta menos efeitos adversos que o peeling de fenol e pode ser usado para tratamento de vários tipos cutâneos.

Tem ação clareadora e risco de má cicatrização menor. Em comparação ao peeling de fenol, apresenta menor ação sobre a pele queimada pelo sol e sobre as rugas faciais grossas, especialmente ao redor da boca.

Peeling de ácido glicólico

Geralmente utilizado em peelings superficiais, os ácidos a-hidroxílico são: o ácido glicólico proveniente da cana de açúcar; o ácido láctico do leite azedado; o ácido cítrico das frutas cítricas; o ácido tartárico das uvas; e o ácido málico das maçãs.

Encontrados em muitos cosméticos em baixas concentrações, podem ser usados no pré-tratamento para peelings químicos e terapia a laser. Têm a ação de rejuvenescer o estrato córneo de forma semelhante à tretinoína.

Peeling Regenerador

É voltado para uma regeneração interna tecidual, ou seja, um peeling para ser utilizado pós outros peelings.

Atuando de forma profunda na pele, proporciona a penetração intensa de ativos para reparar os possíveis danos e efeitos adversos que os peelings tradicionais podem ocasionar, agindo como se fosse um cicatrizante cutâneo.

O peeling regenerador é parte fundamental do sistema tri peeling morfológico para tratamento com luz.

Nele temos o peeling 1 (físico/enzimático), peeling 2 (químico intenso) e peeling 3 (regenerador profundo), atuando cada um em uma camada profunda e com efeitos associativos (físico, enzimático, químico, laser e regenerador) durante o mesmo procedimento.

Visa a renovação tecidual e a modulação celular das novas estruturas formadas após o uso de peeling químico.

Indicações para o uso de peeling químico

As indicações clássicas são:

  • Fotoenvelhecimento: rugas, melanoses e queratoses actínicas;
  • Discromias: melasma e hiperpigmentação pós-inflamatória;
  • Acne e suas sequelas: os peelings químicos são úteis como coadjuvantes no controle da acne em atividade; nas cicatrizes atróficas e nas em ice-pick, os resultados nem sempre serão satisfatórios;
  • Outras indicações: estrias, queratose pilar.

Contra indicações para o uso de peeling químico

Para qualquer peeling químico, em especial o médio e o profundo, as contra indicações, são:

  • Fotoproteção inadequada;
  • Gravidez;
  • Estresse e escoriações neuróticas;
  • Uso de isotretioína oral há menos de 6 meses (somente para peelings médio e profundo);
  • Cicatrização deficiente ou formação de quelóides;
  • História de hiperpigmentação pós-inflamatória permanente;
  • Dificuldades para compreender e seguir as orientações fornecidas;
  • Expectativas não realistas.

 Complicações decorrentes do uso de peeling químico

As complicações estão relacionadas à indicação incorreta do procedimento, orientações deficientes ou não obedecidas pelo paciente e/ou má técnica.

O risco aumenta proporcionalmente à profundidade do peeling.

No peeling  superficial geralmente são de natureza pigmentar. Nos de média profundidade podem ocorrer cicatrizes, e nos profundos, até reações sistêmicas.

Reações sistêmicas que podem ocorrer:

  • Pigmentares: hipopigmentação, hiperpigmentação, linha de demarcação, acentuação de nevus, Eritema, Flushing persisente e equimose.
  • Cicatriciais: quelóides, cicatriz hipertrófica, cicatriz atrófica e necrose.
  • Estruturais: ectrópio e eclábio.
  • Infecciosas (as infecções associadas ao peeling são pouco frequentes e aumentam com a profundidade).

Outras reações:

Milium, prurido, aumento do tamanho dos poros, aumento de telangiestasia, erupções acneiformes e reações alérgicas.

Peeling para tratamento de estrias

Todos os tipos aqui relacionados podem ser utilizados no tratamento de estrias. Vai depender da avaliação profissional a escolha de qual dos métodos será o ideal para seu caso.

Bem, meninas!! Se vocês leram até aqui, conheceram um pouco mais sobre o assunto. Viram que é possível sim, tratar as estrias utilizando peeling como opção.

Mas, surgem as dúvidas:

Além da questão financeira, vale a pena os riscos envolvidos?

Você será avaliada corretamente antes de se submeter a qualquer um desses procedimentos?

Estrias não doem fisicamente. Até que ponto você está disposta a sentir dor para se livrar delas? Sim, porque vários desses tipos de peeling são doloridos de forma leve ou necessitam de anestésicos.

Você conhece alguém que já utilizou algum desses tratamentos para, de repente, pesquisar sua opinião?

O objetivo aqui não é lhe causar medo, mas sim lhe instigar a pensar e analisar os prós e contras, ANTES de fazer sua escolha, ANTES de tomar sua decisão.

Se depois de fazer sua pesquisa, sua análise, você buscar qualquer um desses métodos,

SIGA EM FRENTE!!

Mas caso você prefira um tratamento para estrias que seja indolor, tanto para a pele, quanto para o seu bolso, eu sugiro você conhecer o Adeus Estrias.

Adeus Estrias é um método totalmente natural e ao contrário da maioria que encontramos no mercado, nos dá 30 dias para experimentarmos e, se não ficamos satisfeitas com o resultado, nos devolvem o valor integral do produto, sem questionar.

Conheço algumas pessoas que já utilizaram ou estão utilizando esse método e nenhuma delas pensou ou pensa em devolução.

Por ser um tratamento para estrias 100% natural, realmente os resultados são perceptíveis de forma mais lenta, mas também de forma consistente e o melhor, de forma segura.

 Aí você poderá perguntar: “Alice, você já utilizou este método?”

Bem… apesar de ter engordado 15kg na gravidez por carregar um bebesauro que nasceu com 54cm de comprimento, minhas estrias são em pouquíssima quantidade, na parte interna das coxas. Praticamente não se percebe. Nunca achei necessário tratá-las.

Mas muitas das minhas amigas… realmente lamento por elas.

Acompanhando de perto o que elas estavam passando, decidi pesquisar e pesquisar, na intenção de ajudá-las de alguma forma, informando e buscando opções, até que encontrei o método Adeus Estrias.

Só então fiquei satisfeita, pois havia finalmente encontrado um tratamento indolor e sem riscos para apresentar a elas e  que agora compartilho também com VOCÊ.

Se você resolver seguir minha sugestão e utilizar o método Adeus Estrias, estarei absolutamente tranquila por saber que você irá experimentar um produto que, em nenhum momento, vai prejudicar sua saúde…  ou das minhas amigas.

Clique no link abaixo e veja você mesma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *